corrente - eletronica24h

Busca
Ir para o conteúdo

Menu principal:

Educacional > Cursos > Eletricidade em CC
Corrente Elétrica  
Referencias
Analise de Circuitos em Corrente Continua - Rômulo  O. Albuquerque - Editora Érica

Introdução
      Uma corrente elétrica é um fluxo ordenado de cargas elétricas   em um condutor. O tipo de corrente mais comum é a corrente devido  aos elétrons livres em um condutor metálico (cobre, alumínio,  ferro, etc).  Para existir uma corrente elétrica no condutor é  preciso que ao condutor (no nosso caso metálico) seja aplicada uma tensão  ou diferença de potencial (DDP).
A figura 1 mostramos uma pilha   com os terminais ligados a um condutor metálico.  Através  de um processo químico interno, um dos terminais (pólo negativo)  terá excesso de elétrons enquanto o outro terminal (pólo  positivo) terá falta de elétrons, fazendo aparecer entre os terminais   uma tensão elétrica.
Os elétrons em excesso no terminal negativo (pólo negativo)   são "empurrados" para o circuito através do condutor  metálico indo para o terminal com falta de elétrons (pólo  positivo) a esse fluxo de cargas é dado o nome de corrente elétrica.

Figura 1 -   Circuito elétrico com indicação             da corrente eletronica (corrente de elétrons)

Muito antes de se descobrir   o elétron, próton e nêutrons,  já se conhecia  a corrente elétrica e seus efeitos, mas achava-se que a mesma era devido  a um "fluido positivo ".  Após a descoberta do elétron,  como uma forma de homenagem  aos antigos,  manteve-se o sentido da  corrente como se ela  fosse devido ao movimento cargas positivas. Como  sabemos que as cargas que se movimentam são realmente elétrons,   chamou-se a esse sentido  de convencional, e a corrente correspondente  de corrente convencional.  A maioria dos livros em todo o mundo adota como  sentido de orientação da corrente o sentido convencional.


Figura 2 -   Circuito elétrico com indicação             da corrente convencional
Usando  a energia elétrica
       Na  figura 1,  não usamos de forma  adequada a energia elétrica gerada dentro da pilha. Para aproveitarmos  de forma útil a energia elétrica o gerador deve ser ligado algum  dispositivo que efetue a conversão de energia elétrica em outro  tipo de energia  que nos seja útil.  Por exemplo podemos conectar   o nosso gerador em uma lâmpada, desta forma a energia  elétrica  é convertida em luz e calor, figura 3.

Figura 3 -   Conversão de energia  elétrica em luz - Lâmpada
Figura 3 -   Conversão de energia  elétrica em luz - Lâmpada
Fonte: Crocodile Clips
O gerador pode ser ligado a um motor eletrico  que converterá a energia eletrica em energia mecanica, figura 4.

Figura 4 -   Conversão de energia  elétrica em energia mecânica - Motor elétrico

Acionando o interruptor possibilitamos que a corrente  possa percorrer o circuito, e desta forma ao passar pela lâmpada aqueça  o filamento (Efeito Joule) de tal forma a torna-lo incandescente e gerar luz  (não é a forma mais eficiente de gerar luz, pois de toda a energia  elétrica fornecida somente uma pequena fração é  convertida em luz, a  maior parte é calor!!).  

No caso do motor a corrente provocará o aparecimento de um campo magnético  que criará forças que provocarão o movimento do motor.
O interruptor controla  o fluxo de energia

Intensidade de corrente elétrica  (I)

A intensidade (I) de uma corrente elétrica   é especificada em Amperes (A).   Uma corrente de intensidade 1 A significa que  durante  1s uma secção do condutor é atravessada por uma quantidade  de carga de 1 C, ou 6,25x1018 elétrons, isto é:



 
Onde
DQ
é a quantidade de cargas, em Coulombs (C), que atravessa uma secção do fio no intervalo de tempo

Dt
em segundos(s)    e

 
IM
a intensidade media da corrente no condutor em amperes(A) ou Coulombs por segundo(C/s)
Obs:
D
é a letra grega delta e significa variação.
Exemplo1: Uma secção de um fio foi atravessada por  0,2 C de carga em 10 s. Qual a intensidade média da corrente nesse fio?  
R: Q=0,2 C        t =10s   logo:  IM =Q/t =0,2C/10s=0,02C/s=0,02A=20 mA
A seguir, na tabela 1, os  Submúltiplos  e Múltiplos do Ampére.
Tabela 1 - Submúltiplos  e Múltiplos do Ampére
Submúltiplo
Múltiplo
1miliampere=10-3A=1             mA
1kiloampere=103A=1             kA
 
1microampere=10-6C=1 µA
1Megaampere=106C=1             MA
1nanoampere=10-9C=1             nA
1Gigaampere=109C=1             GA
O Amperímetro
Para medir a intensidade de uma  corrente usamos um instrumento chamado de Amperímetro o qual deve ser conectado em serie com o circuito, portanto você  deve abrir o circuito para inserir o instrumento.
 O circuito a seguir mostra uma lâmpada ligada em uma bateria, em  seguida temos um amperimetro ligado no circuito de forma a medir a intensidade  da corrente. Observe a posição alternativa do instrumento.

( a )                                     ( b )                                 ( c )
Figura  5 - Medida de corrente - Esquemático ( a ) sem amperímetro  ( b ) com amperímetro ( c ) amperímetro em posição  alternativa

No caso  mais comum um amperímetro é encontrado em um  multímetro   (instrumento de múltiplos usos para medir diversas grandezas elétricas)  o qual pode ser analógico ou digital.
A  seguir a foto  mostra como conectar um amperímetro em um circuito  simples (pilhas e lâmpada).


 
Copyright 2015. All rights reserved.
Voltar para o conteúdo | Voltar para o Menu principal